top of page

CANDIDÍASE

Atualizado: 8 de mai. de 2021


A candidíase vaginal é descrita por alguns pesquisadores como uma inflamação da mucosa causada principalmente por fungos do gênero Candida Albicans, com uma alta prevalência de acometimento. Estima-se que 75% das mulheres já tiveram candidíase ou terão pelo menos uma vez ao decorrer da vida, e a grande problemática está na alta reincidência da inflamação.


O que muitas mulheres não sabem é que a Candida é um fungo que está naturalmente presente no intestino, e em quantidades adequadas compõe o microbioma intestinal. No entanto, um crescimento desordenado, pode ser um problema.


Alguns fatores como sistema imunológico deficiente, alteração da flora intestinal, diabetes, uso de antibióticos, alta ingestão de açúcar e carboidratos refinados, excesso no consumo de álcool e estresse elevado são gatilhos importantes para o crescimento excessivo do fungo e o desenvolvimento da candidíase.


Um estilo de vida adequado, controle do estresse, sono de qualidade, boas escolhas alimentares, e uma atenção especial aos nutrientes para fortalecimento do sistema imune são fortes aliados no tratamento e prevenção de recidiva da candidíase.


Fato é, enquanto alguns alimentos podem ser potencializadores para o desenvolvimento fúngico, outros possuem ação antifúngicas.


Alguns alimentos e nutrientes se destacam quando o assunto é evitar a recorrência da candidíase:


1- Especiarias como orégano, tomilho, cravo, canela, cúrcuma, cominho: possuem atividades antibacterianas e antifúngicas.

2- Cranberry e romã: possuem ação antioxidante, inibindo o crescimento excessivo do fungo.

3- Óleo de coco: possui ácido caprílico que auxilia na redução do fungo.

4- Alho (principalmente fresco): possui alicina, um potente agente antiviral e antifúngico.

5- Probióticos e prebióticos: auxiliam no equilíbrio da flora intestinal,

6- Frutas e vegetais: ricos em flavonoides em especial a quercetina com atividade antifúngica e antioxidante, presentes na maçã, uva, alcaparras, cebola, brócolis entre outros.


Além de aumentar a ingestão destes alimentos, outro ponto importante é evitar o consumo excessivo de doces, carboidratos refinados (farinha branca, açúcar), balas, lactose, refrigerantes e sucos industrializados, pois, o açúcar serve de alimento para o fungo, favorecendo sua sobrevivência.


Em algumas mulheres, pode ser proveitoso evitar o consumo frequente de alimentos potencialmente alergênicos, como o amendoim, glúten e leite de vaca. Nestes casos, a ingestão destes alimentos pode causar um desequilíbrio na microbiota intestinal, diminuindo a quantidade e ação de bactérias benéficas, favorecendo um ambiente para o crescimento do fungo.


Além das mudanças na alimentação, algumas condutas complementares podem ser utilizadas no tratamento contra a candidíase vaginal.


Os óleos essenciais, extraídos de plantas aromáticas, são agentes antimicrobianos que podem realizar diversas atividades no organismo, incluindo propriedades antifúngicas. Um estudo demonstrou que a utilização dos óleos essenciais de hortelã, manjericão, lavanda, melaleuca, segurelha e orégano inibiram o crescimento e a atividade do fungo Candida albicans, inclusive, sendo mais efetivos que alguns medicamentos frequentemente utilizados.


O uso de alimentos funcionais e suplementos contendo probióticos e prebióticos, beta-glucanas, nucleotídeos, vitaminas do complexo B, zinco, Vitamina D têm um efeito benéfico na modulação o sistema imunológico e são de grande importância.


Os efeitos terapêuticos dos probióticos não são devidos a uma unica super cepa, mas sim a perfeita simbiose de várias espécies contidas nos gêneros Lactobaccillus e Bifidobactérias , com destaque a s L. acidophillus, L. rhamnosus, L. reuteri e L. crispatus


Se necessário, pode-se intervir com fitotérapicos para modular o estresse e o sono, chás de melissa, passiflora, mulungu são bem vindos. Mas lembre-se sempre a base de tudo é a nutrição.


Referências:

ÁLVARES, C.A.; SVIDZINSKI, T.I.E.; CONSOLARO, M.E.L. Candidíase vulvovaginal: fatores predisponentes do hospedeiro e virulência das leveduras. J Bras Patol Med Lab, v. 43, n. 5, p. 319-327, 2007.


BONA, E. et al. Sensitivity of Candida albicans to essential oils: are they an alternative to antifungal agents? Journal of Applied Microbiology, v. 121, p. 1530-1545, 2016.


EBRAHIMY, F. et al. Comparison of the therapeutic effects of Garcin® and fluconazole on Candida vaginitis. Singapore Med J., v. 56, n. 10, p. 567–572, 2005.


FIRMIANO, L. et al. Benefício dos Alimentos Usados como Terapia Complementar para Candidíase Vulvovaginal Recorrente. Id on Line Rev. Mult. Psic., v. 14, n. 53, p. V.14 N. 53, p. 913-925, 2020.


KUMAMOTO, C.A. et al. The gut, the bad and the harmless: Candida albicans as a commensal and opportunistic pathogen in the intestine. Microbiology, v. 56, p. 7–15, 2020.


LIMA, E.B.C. et al. Cocos nucifera (L.) (Arecaceae): A phytochemical and pharmacological review. Braz J Med Biol Res, v. 48, n. 11, 2015.


LIU, Q. et al. Antibacterial and Antifungal Activities of Spices. Int J Mol Sci., v. 18, n. 6, 2017.

MARTINEZ, R.C.R. et al. Improved treatment of vulvovaginal candidiasis with fluconazole plus probiotic Lactobacillus rhamnosus GR‐1 and Lactobacillus reuteri RC‐14. Letters in Applied Microbiology, v. 48, p. 269-274, 2009.


MIZGIER, M. et al. The role of diet and probiotics in prevention and treatment of bacterial vaginosis and vulvovaginal candidiasis in adolescent girls and non-pregnant women. Ginekologia Polska, v. 91, n. 7, p. 412–416, 2020.


SELEEM, D.; PARDI, V.; MURATA, R.M. Review of flavonoids: A diverse group of natural compounds with antiCandida albicans activity in vitro. Archives of Oral Biology, v. 76, p. 76-83, 2017.




467 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 comentario


Nunca tive!!! e agora então, nem me apanha 😉

Me gusta
logo_alessandra_2021_branco.png
bottom of page